Pular para o conteúdo
Home » A melhor metade? 7 romances contados de ambos os membros de um casal ‹ Centro Literário

A melhor metade? 7 romances contados de ambos os membros de um casal ‹ Centro Literário

 

No meu romance, O fim de se perder, conto a história de um jovem casal, Gina e Duncan, em uma lua de mel européia que acaba não sendo nada do que parece. À medida que a história nos atrai para sua história complexa, construída de fantasia romântica, sonhos compartilhados, decepções e decepções profundas, nos movemos, a cada capítulo, entre os pontos de vista de Gina e Duncan. A escolha de alternar vozes dessa forma me permitiu demonstrar o poder e os limites de sua intimidade, destacar as convergências e diferenças em suas percepções e expor as partes de cada uma mantidas escondidas da outra.

Ao escrever, fiquei interessado em outros romances que alternam entre as vozes dos membros de um casal, especificamente onde isso é mais do que um artifício: onde é um exame de uma das preocupações centrais que nós, humanos solitários, temos – o quanto podemos realmente saber de outro, ou ser conhecido? Quão perto de outra alma viva podemos realmente chegar?

Não surpreendentemente, vários escritores maravilhosos aceitaram essa questão e esta lista poderia ser muito maior. Aqui está apenas uma amostra dos romances que me pareceram significativos.

*

Leo Tolstoy, Ana Karenina
(Penguin Classics, trad. Richard Pevear e Larissa Volokhonsky)

Ana Karenina contém vários pontos de vista, mas central para este romance é o contraste entre dois conjuntos de amantes. Em exibição magistral está a crescente divisão entre os românticos e apaixonados Anna e Vronsky, e a constante convergência de perspectiva entre os mais pragmáticos Kitty e Levin, cristalizada na famosa cena em que Levin propõe casamento a Kitty usando apenas as iniciais de giz que ela consegue interpretar . Por tudo que este romance aparentemente pretendia ser um conto de advertência, seu verdadeiro poder decorre da busca de Anna por um amor transcendente e sua decepção com um homem que permanece limitado pela sociedade que o molda e o une. Tolstoi não precisa de propaganda, mas eu não poderia escrever esta lista sem incluir o romance que primeiro me fez pensar profundamente sobre as maneiras pelas quais o amor pode nos salvar e nos destruir.

Tar Baby

Toni Morrison, Tar Baby
(Vintage)

Lírico e mítico, o romance de Morrison também envolve o desejo de uma mulher de encontrar liberdade e amor – mas com questões de classe, gênero e raça complicando sua luta. O título de Morrison refere-se a um conto popular do sul no qual um coelho é capturado com o uso de um bebê envolto em alcatrão. Para Morrison, essa história se torna uma metáfora para (entre outras coisas) a perigosa aderência do amor e, na verdade, toda conexão humana – uma que ela explora através das aventuras das famílias Street e Childs, presididas por um fabricante de doces branco. Este é um mundo construído sobre a doce tentação pegajosa. Quando os protagonistas do romance, Jadine e Son, fogem em busca de liberdade apenas para se verem atolados em suas próprias lealdades culturais e subjetividades conflitantes, ficamos imaginando o quanto o fracasso de seu amor foi determinado pela superfície de sua carne. .

Tayari Jones, um casamento americano

Tayari Jones, Um casamento americano
(Livros Algonquin)

An American Marriage é a história de um casal dilacerado por um caso de injustiça racial, mas o romance continua explorando outras forças mais universais que podem corroer a intimidade em nossa cultura contemporânea, incluindo os poderes do preconceito menos evidente e as seduções do sucesso. . Entre os temas provocativos em exibição está a forma como Celestial, como artista, tanto homenageia quanto explora o sofrimento do marido em sua arte – um momento que talvez envolva a escritora e tensione a expressão criativa com os compromissos pessoais. Em alguns aspectos, este romance complexo e adorável remonta a Anna Karenina ao retratar como as injustiças da sociedade definem o caminho para nossas próprias traições particulares.

Destinos e Fúrias

Lauren Groff, Destinos e Fúrias
(Livros de Riverhead)

O romance de Groff estava entre as minhas inspirações: uma obra ambiciosa que narra a progressão de duas vidas unidas no amor e no casamento. A separação das narrativas, juntamente com as muitas maneiras pelas quais as duas perspectivas revelam profundas lacunas de compreensão, leva a uma sensação de solidão subjacente da experiência, mas com a capacidade de generosidade e sacrifício como consolo. A história de Groff, como a de Jones, traz a ambição artística à frente e ao centro e lembra uma das minhas histórias favoritas de Henry James, “A Árvore do Conhecimento”, outra representação brilhante das maneiras pelas quais parceiros amorosos podem apoiar – e enganar.

Conversando sobre isso

Julian Barnes, Conversando sobre isso
(Vintage)

Barnes é conhecido como um autor pós-modernista cuja escrita desafia as noções de verdade narrativa – e que relato poderia ser mais relativo, mais contraditório e tortuoso, do que um narrado pelos vários membros de um triângulo amoroso, cada um, além disso, falando com o propósito de si mesmo? -justificação? Neste romance, em que dois melhores amigos se apaixonam pela mesma mulher, os papéis e as lealdades mudam constantemente, fazendo com que nos perguntemos onde reside o verdadeiro amor nesta história. Isto é, se pudermos falar de amor verdadeiro em um romance tão determinado a nos mostrar como nossas paixões românticas – e nossas histórias – são alimentadas pela ilusão.

Páginas para ela

Sylvia Brownrigg, Páginas para ela
(Imprensa de Contraponto)

Onde Barnes começa a explorar o amor entre homens do mesmo sexo, Páginas para ela dedica-se ao relacionamento romântico e formativo entre duas mulheres. O romance é uma continuação do livro de Brownrigg Páginas para você, em que a jovem Flannery se apaixona por sua professora mais velha, Anne – um relacionamento que abre Flannery não apenas à paixão sexual, mas a outras possibilidades – inclusive literárias – dentro de si mesma. 20 anos depois, onde o próximo romance retoma a história, o personagem outrora expansivo de Flannery parece ter encolhido. Embora o romance inclua os pontos de vista de ambas as mulheres, Flannery está em diálogo com sua encarnação mais jovem e mais apaixonada. Aqui, em contraste com aquelas obras onde arte e amor estão em tensão, em Pages For Her, como o nome indica, o fogo do amor acende uma paixão por criar.

A LEI DOS ANEXOS

Dale Peck, A Lei dos Fechamentos
(Soho Press)

Como o romance de Brownrigg, o de Peck toma como tema o amor ao longo do tempo, traçando um forte contraste entre o amor extático jovem e as frustrações românticas da vida adulta. O conto de Peck é dividido em seções: a primeira retratando o romance juvenil de Henry e Beatrice da perspectiva de cada um, a segunda partindo da narrativa principal para seguir um relato aparentemente autobiográfico da infância brutal de Peck – também marcada por discórdia conjugal – e a terceira retornando a Henry e Beatrice, agora em apuros, após 40 anos de casamento. É como se Peck estivesse nos pedindo para encaixar as peças e construir nossa própria narrativa sensata a partir dos flashbacks que explicam apenas parcialmente como o casal outrora feliz se tornou o que é. O romance nos lembra o quanto a vida, desde o nascimento até a velhice, envolve enfrentar desastres que já aconteceram.

___________________________________________________________

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.