Pular para o conteúdo
Home » O que exatamente as palavras têm gosto?

O que exatamente as palavras têm gosto?

 

Agora, na casa dos sessenta, a sinestesia faz parte da vida de James desde que ele se lembra.

Minhas primeiras lembranças de som com sabores e texturas associados foram durante as viagens diárias de e para a pré-escola no metrô de Londres. Eu tinha cerca de quatro anos na época e minha mãe me ajudava com a leitura e a escrita, então eu passava a viagem lendo e anotando os nomes das estações e seus gostos que as acompanhavam quando paramos ou passávamos por elas.

Depois disso, passei para os mapas dos vagões aéreos. Eu ainda tenho alguns desses cadernos surrados de todos esses anos atrás e as combinações de nome, comida e sabor descritas são exatamente as mesmas de hoje. Também me lembro especificamente que costumávamos recitar o Pai Nosso todas as manhãs na minha escola. E isso costumava trazer bacon extremamente forte, gostos texturais.

James se lembra de ter mencionado isso para sua mãe, mas ela o descartou.

Não lhe ocorreu que nem todos tinham essa experiência do mundo. Quando ele começou a mencionar isso para seus amigos da escola, ele foi geralmente recebido com respostas em branco, descrença ou aceitação moderada. Mas sua sinestesia nunca lhe causou um problema – até que ele tinha cerca de 15 anos.

Costumávamos fazer exames anuais, que fazíamos em grandes salões cheios de ecos. Sentávamos lá e eu ficava total e totalmente distraído com os sons, porque as janelas estavam sempre abertas — era sempre no verão; ou por um lápis rolando sobre uma mesa e depois caindo e batendo no chão de madeira do ginásio. Isso costumava me distrair muito. Mesmo lendo as perguntas foi muito perturbador. Então pedi para minha mãe me levar ao médico.

Posso adivinhar qual teria sido a resposta de um clínico geral nos anos 1950 ou 60, e James confirma, rindo: de. Essa foi a resposta dele.”

Foi uma avaliação dura do GP, mas compreensível. Mesmo agora, algumas das coisas que James fala são totalmente incompreensíveis, quase bizarras. Discutindo suas viagens de metrô quando criança, ele diz: “Minha estação de metrô favorita era a Tottenham Court Road, porque há tantas palavras lindas lá. ‘Tottenham’ produziu o sabor e a textura de uma salsicha; ‘Court’ era como um ovo — um ovo frito, mas não um ovo frito mole: um lindo ovo frito crocante. E ‘Road’ foi um brinde. Então aí você tem um café da manhã pré-fabricado. Mas mais adiante na Linha Central havia uma das piores, que costumava ter gosto de lata de aerossol – você sabe, o sabor que você sente de spray de cabelo. Essa era a Bond Street.”

Em outro ponto de nossa conversa, estamos discutindo se sua sinestesia o levou a tomar decisões pessoais diferentes. Quando ele olha para trás, ele nota que todos os seus velhos amigos tinham nomes que tinham um gosto bom. Sua atração por mulheres também foi influenciada por seus nomes. Enquanto isso, um de seus amigos era casado com uma mulher cujo nome tinha gosto de vômito para James – ele faz uma careta enquanto fala o nome dela. Escusado será dizer que James não entendeu a escolha de parceiro de seu amigo.

Passo algum tempo com James, tentando compreender. Rapidamente fica claro que não é tão simples quanto ouvir e saborear; James está descrevendo uma sensação real na boca, a textura, o sabor e o odor de uma substância em particular. Em essência, o sabor e não simplesmente o sabor.

“Também me lembro especificamente que costumávamos recitar o Pai Nosso todas as manhãs na minha escola. E isso costumava trazer bacon extremamente forte, gostos texturais.”

Tudo soa extremamente absurdo, e posso entender a descrença do médico de família de James. Mas, apesar de suas histórias vívidas, há evidências de que as experiências de James são muito reais, não apenas o produto de uma imaginação abundante. Para começar, os sabores das palavras ou objetos são totalmente fixos. Uma olhada em seus cadernos de infância confirma que os sabores das estações de metrô agora são os mesmos de sempre. Os gostos dos nomes das pessoas, das estações de metrô, são imutáveis.

Claro, ele pode simplesmente ter uma memória muito boa, mas essas associações são tão numerosas que James seria extremamente pressionado a lembrar de cada uma delas. É possivelmente persuasivo, mas não definitivo, de que a sinestesia seja um fenômeno real. Para alguns sinestesistas, as regras que regem suas associações são tão complexas que não podem expressá-las ou mesmo entendê-las; tais regras levaram anos para serem desvendadas por especialistas em psicolinguística.

Ainda mais convincentes, no entanto, são os estudos dos cérebros dos sinestesistas. Usando a ferramenta quase onipresente do neurocientista, a ressonância magnética funcional (fMRI), os pesquisadores demonstraram claramente as diferenças entre sinestetas e não sinestetas. Por exemplo, para aqueles que relatam perceber cores de palavras ou letras, durante as tarefas de compreensão da linguagem, as regiões de seleção de cores do cérebro se acendem. Isso mostra definitivamente uma base neurológica subjacente para sua experiência do mundo. Outros estudos mostraram áreas de hiperconectividade dentro dos cérebros dos sinestesistas. Existem expansões claras de tratos de conexão entre diferentes partes do córtex cerebral que presumivelmente medeiam essa conversa cruzada entre os sentidos.

Uma terceira linha de evidência vem de estudos genéticos. Estes identificaram áreas do genoma humano ligadas à sinestesia, obviamente implicando uma base genética para o fenômeno. Isso apóia a observação de que a sinestesia tende a ocorrer nas famílias. Aqui, mais uma vez, surge Francis Galton, tendo publicado um artigo em Natureza em 1880 intitulado “Números visualizados”. Embora Galton não use o termo “sinestesia”, isso é claramente o que está sendo referido.

No mesmo artigo, ele descreve indivíduos com familiares que vivenciam algo semelhante e comenta especificamente sobre o papel da hereditariedade nesse traço; um reconhecimento precoce do papel da genética na sinestesia.

Enquanto a visão induzida pela audição – ver cores ao ouvir música, por exemplo – é o tipo mais comum de sinestesia, a condição se apresenta em muitas formas diferentes – visões geradas pelo toque, gostos gerados por palavras (como no caso de James) ou qualquer outra possível permutação de cruzamento sensorial. Pode, no entanto, ser uma deturpação considerar a sinestesia como puramente uma fusão dos sentidos. Para alguns sinestesistas esse é de fato o caso, mas para outros não é tão simples. Os gatilhos para essas experiências de modalidades cruzadas podem não ser experiências sensoriais brutas, mas construções cognitivas de ordem superior, com algo mais abstrato gerando essas experiências sinestésicas.

Considere James e sua sinestesia palavra-sabor. Para pelo menos alguns de seus pares, parece que a relação é definida pelo significado ou raiz das próprias palavras. Para ele, há um elemento linguístico ou semântico em tudo isso, não puramente auditivo. Para outros, certas palavras que começam com a mesma letra podem provocar a mesma cor, apesar de as palavras serem pronunciadas de forma diferente – por exemplo, pipoca, psiquiatria, telefone. Alguns sinestetas experimentam cores diferentes com letras diferentes do alfabeto. Para alguns pode ser o som da letra; para outros a geometria das letras; para outros ainda pode ser que uma carta, não importa como esteja escrita – em qualquer fonte, maiúscula ou minúscula – possa precipitar a mesma cor, mais uma vez implicando que as origens de sua sinestesia são mais complexas do que a experiência sensorial bruta. .

__________________________________

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.